O ultrassom minimizando a ação do Mal de Alzheimer

De acordo com o site GGN, pesquisadores australianos criaram uma tecnologia de ultrassom [*] não-invasiva que limpa o cérebro das placas responsáveis ​​pela perda de memória e pelo declínio da função cognitiva em pacientes com Alzheimer:

Se uma pessoa tem a doença de Alzheimer, isso é geralmente o resultado de uma acumulação de dois tipos de lesões – placas amilóides e emaranhados neurofibrilares. As placas amilóides ficam entre os neurônios e criam aglomerados densos de moléculas de beta-amilóide.

Os emaranhados neurofibrilares são encontrados no interior dos neurónios do cérebro, e são causados por proteínas Tau defeituosas que se aglomeram numa massa espessa e insolúvel. Isso faz com que pequenos filamentos chamados microtúbulos fiquem torcidos, perturbando o transporte de materiais essenciais, como nutrientes e organelas.

Como não temos qualquer tipo de vacina ou medida preventiva para a doença de Alzheimer – uma doença que afeta 50 milhões de pessoas em todo o mundo – tem havido uma corrida para descobrir a melhor forma de tratá-la, começando com a forma de limpar as proteínas beta-amilóide e Tau defeituosas do cérebro dos pacientes.

Agora, uma equipa do Instituto do Cérebro de Queensland, da Universidade de Queensland, desenvolveu uma solução bastante promissora. Publicando na Science Translational Medicine, a equipa descreve a técnica como a utilização de um determinado tipo de ultra-som chamado de ultra-som [*] de foco terapêutico, que envia feixes feixes de ondas sonoras para o tecido cerebral de forma não invasiva.

Por oscilarem de forma super-rápida, estas ondas sonoras são capazes de abrir suavemente a barreira hemato-encefálica, que é uma camada que protege o cérebro contra bactérias, e estimular as células microgliais do cérebro a moverem-se. As células da microglila são basicamente resíduos de remoção de células, sendo capazes de limpar os aglomerados de beta-amilóide tóxicos.

Leia mais clicando aqui.

[*] A forma correta de escrita da palavra é “ultrassom” desde a entrada em vigor do Novo Acordo Ortográfico, em janeiro de 2009.

Anúncios

Brasileiros brilham no World Skills 2015

De acordo com o portal G1, o Brasil foi o grande campeão da WorldSkills São Paulo 2015, encerrada no domingo [16.08.2015] à noite no Ginásio do Ibirapuera. Nosso País ganhou 11 medalhas de ouro, 10 de prata e seis de bronze:

Com isso conquistou o Top One no ranking dos 60 países participantes. E também se saiu vencedor em relação às duas últimas competições. Em 2011, em Londres, ganhou seis medalhas de ouro e ficou em segundo lugar no ranking. Na última competição, em 2013, em Leipzig, Alemanha, ficou apenas com quatro medalhas de ouro e o quinto lugar na classificação.

Desta vez foram 11 medalhas de ouro, 18 certificados de excelência (além das medalhas de prata e bronze) mais a premiação de um, entre os melhores competidores, medalha Albert Vidal, para Luis Carlos Sanches Machado, que competiu na ocupação Tecnologia Automotiva. Luis Carlos também foi o melhor do Brasil e medalha de ouro em sua modalidade.

Leia mais clicando aqui.

Dos 27, 25 são participantes do Pronatec, como mostra a matéria do Globo Online:

Alunos do Pronatec vencem competição mundial de ensino técnico

_pronatec

Cadastro Nacional de Bibliotecas: Busca Online

Quer encontrar a biblioteca pública mais próxima da sua escola ou da sua casa?

O Ministério da Cultura lançou no último mês o Cadastro Nacional de Bibliotecas, um site para que você possa fazer a busca online.

Acesse:
http://bibliotecas.cultura.gov.br/

Sangue Bom: Laboratório no RJ a preços populares

O laboratório Sangue Bom, recém-inaugurado no Itanhangá, Barra da Tijuca, Zona Oeste do Rio, funciona em área carente cercada de condomínios de alto padrão:

O espaço atrai o público que busca qualidade, atendimento rápido e preço popular. O paciente pode marcar seu exame por um aplicativo (que também mostra o resultado), e os preços ficam em até um terço do praticado no mercado. Verificar taxa de colesterol, por exemplo, custa R$ 5.

Marco Collovati, médico italiano e sócio do laboratório, destaca que a novidade atrai moradores do Morro do Banco, da comunidade Tijuquinha e de condomínios de luxo do Itanhangá. “O barato atende o paciente que não tem alto poder aquisitivo, e o bom atende o de alto padrão”, analisa Collovati.

O objetivo até o fim do ano é abrir mais três unidades e outras 5 mil pelo país.

Fonte:
http://portalorio.com.br/clinica-popular-exames-por-r-5-na-capital-do-rio/

Estrada do Itanhangá, 483, Loja J
Próximo a comunidade da Tijuquinha em frente à paróquia de São Bartolomeu
Telefone: (21) 3081-2102

RJ: Projeto A Livraria Vazia em agosto de 2015

_PRAT

%d blogueiros gostam disto: